quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Era uma vez um armário

É alta temporada em Ubatuba, porém com muita chuva...
Minha irmã caçula, Marielen, futura professora de Educação Física (yess teremos uma personal trainner na família) trabalha no  shopping e devido ao grande movimento na cidade, mal tem tempo de cuidar de suas coisinhas!!
Pois bem, como eu estou passando uns dias por aqui, resolvi dar uma geral no tal do armário, claro, com o consentimento dela.
O armário é daqueles de 10 vezes de 49,90, sabe?! As portas estavam caindo, as gavetas despencando e como ela vai se mudar daqui há alguns meses, não via necessidade de comprar um novo agora.. mas, do jeito que estava não dava para ficar, então:

Comprei dois containeres de plástico nº 4 e 4,60 metros de chita e pronto...


 Foi organizado de maneira que  as peças que ela mais usa,
ficassem ao alcance das mãos.
Até tentamos separar por cores, porém o espaço é muito pequeno.
Perfumes e maquiagem juntos e os livros da faculdade, no canto de baixo

Estava assim... neste momento, já tínhamos arrancado as portas 'pendentes',
 as gavetas não fechavam mais e por conta disto, não tinha como arrumar..

Gastamos R$ 102,00 na compra dos dois containeres + chita + aviamentos.
Ela adorou o resultado!!

Beijos
Miriam

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O meu sumiço e as colchas de retalhos

Olá amiguinhas, já falei muitas vezes que a influência maior na minha vida
no mundo craft, foi de vovó.
Já mostrei algumas vezes por aqui, a colcha de retalhos que herdei dela e hoje, vou mostrar a que ela fez para minha mãe e minhas irmãs:
A de mamãe... 

A colcha de  mana Elinha...

A colcha de mana Deni

Todas lindas né não!!!

A mana caçula, por ser muito mais nova, não teve o privilégio de ganhar uma, então a de minha mãe vai ser dela. Todas as almofadas e a bandeirola, são feituras minhas.

 Voltei na casa de maninha Deni e a colcha estava na janela, vejam que efeito:

Lindo né?!

Quanto ao sumiço, tirei uns dias de descanso, estou aqui curtindo o tempo chuvoso de Ubatuba.
Maaaasss, você pode me seguir no Flickr, no Instagram, no Facebook,
e tem alguma coisa no   Pinterest, ta bom!!!!

Beijos
Miriam

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Azul?!

Fim de semana meio difícil..
Meu tio faleceu e tivemos que ir meio às pressas para Ubatuba e marido embarcou no domingo.
Hoje amanheci com uma virose horrorosa, prostrada mesmo, mas já estou sentindo uma melhora, tanto que estou aqui contando para vocês.
Tenho vários posts para responder, eu sei, daqui a pouco eu chego aí.
Das metas do ano novo, a de cozinhar, estou firme no propósito, ainda mais depois de tantas dicas super valiosas que várias amigas me deram, cheguei à conclusão que é só ter disciplina e nada de preguiça..
Sempre no começo do ano dá o siricotico de fazer mudancinhas por aqui, no ano passado, reformei o banheiro e fiz os móveis da sala, agora estou com muita vontade de pintar uma parede...
Pensei no tom de azul desta mesa...
Via: 79 ideas

O que vocês acham?!

Beijos
Miriam

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

A história de um puff



O puff aqui de casa foi adquirido numa liquidação da TokStok, estava com um furinho na lateral e meio encardido e por este motivo tive um desconto de 70%, isto foi há muito tempo...
O que mais gosto nele são as medidas generosas, este modelo saiu de linha, os que têm lá agora são bem menores e quadrados, este é quase retangular.
A primeira capa dele foi feita numa loja especializada em capas, onde fiz das poltroninhas, lembram?! Mostrei aqui.
Pois bem, a partir daí eu mesma comecei a fazê-las.
A que mais gosto é esta, de chitão.

Estou fazendo uma de crochê... mas sem pressa!!

No domingo a tarde, em 30 minutinhos, fiz esta aqui:

Pra você que acha que é muito difícil, veja bem, não é não!!
Basta medir o tecido e alinhavá-lo no próprio puff do lado avesso 
(se você tem um pouco mais de prática, basta alfinetá-lo e mandar ver na máquina).

Pronto!! Puff amigo e companheiro de roupa nova...

Beijos
Miriam

domingo, 6 de janeiro de 2013

Cozinhar todos os dias - parte 2

As dicas das minhas amadas pipoquinhas foram ótimas. Vi que a maioria utiliza o cardápio, legal né!!!
Bem, fui ao mercado e comprei legumes, carnes, folhas e alguns enlatados e acho que já vai dar para começar.
Nesta primeira semana, vou seguir algumas dicas dos comentários do post anterior e que talvez sirva para mais alguém:


  • Cozinhar o feijão e guardar sem tempero em vários potinhos no freezer;
  • Lavar todas as folhas, a couve e o almeirão já guardei picado;
  • Usar o forno com mais frequência: peixe assado, frango assado, filé empanado assado e o rosbife da Rita Lobo são algumas opções; além de serem mais saudáveis, são mais fáceis de fazer.. o que me incomoda na cozinha é justamente ficar muito tempo em pé;
  • Arroz integral faço na pressão, é muito mais rápido (arroz branco há uns dois meses tenho feito somente nos finais de semana);
  • A dica mais preciosa, seguir o padrão : (proteína/carboidrato/reguladores) ou seja, uma carne, arroz com feijão, uma verdura e um legume.
E vamo que vamo...

OBRIGADA!!!
Beijos
Miriam

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Meta: Cozinhar todos os dias

O ano novo chegou e eu tenho várias metas... hahaha... todo mundo tem né?!
Uma das minhas é cozinhar mais... isso mesmo, cozinhar.
Com a rotina corrida, há algum tempo deixei isto de lado, cozinhava somente no fim de semana e confesso que isto começou a me incomodar, quando enfim decidi reagir..
Pois bem,  ainda não engrenei, percebo que me falta técnica...
Não com o ato em si de cozinhar, mas sim de planejar.
Ontem estava conversando com a amiga Carlota pelo facebook, sobre isto! Quando postei que uma das minhas  metas era cozinhar todos os dias, ela respondeu, "a minha é não cozinhar todos os dias".. rsrs... pois o que falta, disse ela, é ter ideia do que fazer todos os dias...
E ela tem razão, geralmente chego do trabalho e vou direto para a cozinha, sem nada pré-definido, sempre acabo fazendo as mesmas coisas, sem muita variação.. e a minha intenção é justamente o contrário, conhecer novos sabores...
Então pensei, porque não criar um cardápio?! Será que funciona? Alguém aí segue este método?!
Bem, como normalmente já faço mercado semanalmente, acho que já é um ponto a favor, pois só precisarei definir o cardápio da semana seguinte, certo?! Então tá.
Vou começar a partir da semana que vem!!!
Abaixo, algumas imagens do nosso Natal e Ano Novo,  o cardápio foi enxuto, sem muitas opções para evitar as sobras:






Fiquei tão feliz com o carinho no post anterior!!! Obrigada!!!
Só expus o que senti no ano anterior, primeiro porque o texto do Luiz Fernando foi de uma clareza sem fim para mim. A vida é cheia de oportunidades e portas que se abrem e fecham a todo momento, basta a gente perceber. Por outro lado, a intenção  foi compartilhar algo bom! Bom?! Sim, afinal o recomeço está dentro da gente e isto certamente não depende da virada do ano. Percebi que um dos maiores dons que Deus nos deu, foi a vontade!! Isso mesmo, para qualquer coisa necessitamos dela, é o sentimento que pode te levar tanto para o lado bom, como para o ruim... só depende de querer!!!

Bom fim semana pra você!!!
Beijos
Miriam

Feliz Ano Vida Nova...


"Desmoronando

  • Juntaram as minhas partes, me espanaram e me mandaram para casa. Eu não disse para ninguém que deveria estar morto
LUIZ FERNANDO VERÍSSIMO
Publicado:
O prédio de lata estava desmoronando e eu estava dentro dele, desmoronando também. Caía de bruços como um super-herói que esqueceu como voar, com a cara virada para o chão, ou para o saguão do prédio, que se aproximava rapidamente. Se eu me espatifasse no saguão, certamente morreria, pois seria soterrado pela lataria em decomposição que acompanhava meu voo. O fim do sonho seria o meu fim também. Mas a queda era interrompida, a intervalos, como naquelas “lojas de departamento” em que o elevador parava, o ascensorista abria a porta e anunciava: “Lingerie”, “adereços femininos” etc. Levei algum tempo para me dar conta que aquelas paradas não eram só para interromper o terror da queda. Eram oportunidades de fuga. O sonho me oferecia alternativas para a morte, se eu fizesse a escolha certa. Ou então me dava um minuto para pensar em todas as escolhas erradas que tinham me levado àquele momento e à morte certa: os exageros, os caminhos não tomados e as bebidas tomadas, as decisões equivocadas e as indecisões fatais, o excesso de açúcar e de sal, a falta de juízo e de moderação. Não posso afirmar com certeza, mas acho que ouvi o ascensorista fantasma dizer, em vez de “lingerie” e “adereços femininos”: “Desce aqui e salva a tua alma” ou “Pense no que poderia ter sido, pense no que poderia ter sido...” As paradas não eram para diminuir o terror, as paradas eram parte do terror! Eu não tinha tempo nem para a fuga nem para a contrição. E o saguão se aproximava. Decidi me resignar. É uma das maneiras que a morte nos pega, pensei: pela resignação, pela desistência. Meu corpo não me pertencia mais, era parte de uma representação da minha morte, o protagonista de um sonho, absurdo como todos os sonhos. Talvez a morte fosse sempre precedida de um sonho como aquele, uma súmula de entrega e renúncia à vida, mais ou menos dramática conforme a personalidade do morto. Um sonho com anjos e nuvens rosas ou um sonho de destruição, como eu merecia. Eu nunca saberia por que meu sonho terminal fora aquele, eu desmoronando junto com um prédio de lata. Mas nossas explicações morrem com a gente.
No fim do sonho me espatifei no chão do saguão e esperei que o prédio caísse nas minha costas. Em vez disso, ouvi a voz do dr. Alberto Augusto Rosa me perguntando se eu sabia onde estava. “Hospital Moinhos de Vento”, arrisquei. Acertei. Lá juntaram as minhas partes, me espanaram e me mandaram para casa. E eu não disse para ninguém que deveria estar morto."

Este texto saiu no GLOBO de hoje...











































Tudo bem, tudo bem... os meus problemas não foram tão graves quanto o do Luiz Fernando, mas, juro que por alguns momentos lá em meados de agosto eu achei que fosse morrer... foi bem assim o que senti.
O fato de estar doente em qualquer grau, deprime, e a cabeça  dá um nó e cria várias situações que só se passam na sua imaginação e esta foi sem dúvida, meu maior algoz.
Mas, Deus é misericordioso e me deu uma nova oportunidade, com a ajuda da Dra. Cássia e de meu marido, com as orações da minha mãe e o olhar juvenil e cheio de vida de minha Maria...  confesso que consigo visualizar a vida de uma forma bem diferente. 
E hoje estou bem. Trilhando um caminho para o meu bem.




Feliz Ano Vida Nova... 
mesmo não alterando muita coisa na minha rotina, mas sim na minha cabeça.

Beijos
Miriam